Leis de trânsito

Atos de imperícia ocasionado por condutores: principais causas

5 minutos de leitura
Atos de imperícia ocasionado por condutores: principais causas
Daniel Brasil
Escrito por:
Atualizado em 23 de maio de 2022

Índice

    A falta de prática do condutor aumenta a incidência de acidentes, oferecendo riscos às pessoas, atraso nos prazos de entrega e possíveis danos à carga. Dessa forma, infelizmente a imperícia no trânsito continua sendo um dos grandes problemas do setor de transportes. 

    Quer entender melhor quais são as principais causas de imperícia e como evitá-las? Continue lendo nosso post! 

    O que são atos de imperícia?

    Os atos de imperícia são todos aqueles causados por inaptidão, ignorância, falta de qualificação técnica, teórica ou prática para a ação realizada.  

    Especificamente no caso de condutores habilitados para tal e passaram por treinamento, a imperícia geralmente está associada à falta de prática na atividade. Muitos não sabem lidar com determinadas situações, como tráfego pesado nas estradas, necessidade de desvios ou a falta de conhecimento da região, sendo assim, optam por comportamentos que aumentam os riscos da viagem.

    Diferença entre atos de imperícia x negligência x imprudência

    A imperícia, como você pôde conferir acima, é causada pela falta de conhecimento ou habilidade para tal atividade. Por exemplo: a falta de aptidão de seus motoristas para dirigir veículos mais novos, com uma tecnologia diferente da dos antigos, pode causar um acidente. A falta de conhecimento sobre novas leis pode gerar multas.

    Os atos de negligência são diferentes, pois ocorrem através de uma omissão. O condutor age com descuido, indiferença ou desatenção. Muitos podem ser os fatores causadores de um ato negligente. Por exemplo, o toque do celular, alguém passando na rua, outras conversas. Esse tipo de falha está relacionada à falta de foco no que se está fazendo. 

    E os atos de imprudência são ações feitas sem cautela e de forma precipitada. Diferente da negligência, esses atos não são omissos, o condutor age, mas toma uma atitude completamente diferente da esperada, não medindo consequências e não dando conta dos possíveis resultados de seu ato.

    Um exemplo disso acontece quando um motorista que resolve por conta própria consertar o seu veículo e acaba por danificar ainda mais.

    Saiba como identificar atos de imperícia de profissionais

    A principal tarefa de um condutor de uma transportadora é dirigir com segurança, mas também cabe ao gestor logístico analisar e identificar os sinais que indicam que se o condutor possui ou não a habilidade necessária para acatar a tarefa de transportar cargas. 

    Dessa forma, é importante verificar o histórico de habilitação do motorista. Confira se existem notificações de infrações. Uma forma de fazer isso é através da certidão de histórico de motorista, onde é possível identificar se o condutor possui a categoria necessária para dirigir caminhões, registros de multas e possíveis processos. Em meio a isso, verifique também a veracidade do documento, se está atualizado e correto. 

    Instalar câmeras de segurança nos veículos é uma tática que ajuda a evitar atitudes que poderiam resultar em acidentes. Quando o motorista tem ciência que a sua jornada de trabalho está sendo monitorada, seu comportamento modifica, uma vez que as câmeras registram a imperícia quando ocorrem ou quando o condutor realiza atos arriscados. 

    Além disso, faça um teste teórico e/ou prático de habilidade ao contratar os serviços de um motorista. Assim, você terá a comprovação da experiência do condutor. 

    Também busque referências do profissional, avalie todas as experiências profissionais anteriores: motivo do término do contrato, tempo de permanência na função, penalizações na empresa. 

    Impactos dos atos de imperícia no trânsito para transportadoras

    Atos de imperícia podem resultar em penalidades tanto para o condutor, quanto para a transportadora. Imagine que o condutor do veículo não adquiriu os conhecimentos necessários para exercer a função acordada e comete vários erros com proporções graves. Essa responsabilidade civil e criminal, entre outras consequências, será enfrentada pelo operador e gestor logístico. Em suma, confira abaixo alguns dos impactos que essas atitudes podem ocasionar.

    Frota desgastada

    Utilizar o veículo de maneira correta é necessário para prolongar ainda mais a sua vida útil. Quando esse veículo é conduzido de forma irresponsável, resulta em prejuízo para a empresa, devido ao aumento do consumo de combustível e lubrificantes.

    Os custos operacionais também são elevados quando há desgaste de decomponentes, uma vez que isso compromete o desempenho do veículo. Afinal, esse problema gera atraso das entregas, sobrecarga da frota e o índice de hora extra para atender a demanda dos clientes.

    Alto risco de acidentes

    Segundo o estudo do Observatório Nacional de Segurança Viária, cerca de 90% dos acidentes são provenientes de imperícia, falha humana. 

    Sendo os principais fatores causadores o desrespeito à sinalização de trânsito, uso de celular ao volante, igualmente a não utilização de equipamentos de segurança,  e consumo de bebidas alcoólicas.

    Comprometimento de cargas

    O ato de imperícia pode danificar a carga de várias maneiras. O principal risco é a perda das mercadorias em acidentes.

    É importante se atentar ao risco de tombamentos. Uma vez que o carregamento feito de forma inadequada ou insegura, sobrecarrega o caminhão e o acidente pode acontecer. 

    Custos elevados

    Quando estes atos de imperícia resultam em acidentes, vítimas, veículos e cargas podem sofrer danos, e quando isso acontece, a empresa precisa custear seguros e indenizações, além de interromper a operação do veículo para realizar os reparos. Acidentes representam danos materiais importantes para as transportadoras. Além das vítimas, os veículos e a carga podem sofrer danos. 

    Quais são as principais causas dos atos de imperícia?

    A falha humana é a maior responsável pelos atos de imperícia, uma vez que, há falta de conhecimento, despreparo, inaptidão, qualificação teórica ou prática, e mesmo assim o indivíduo opta por realizar tal atividade. 

    Uma frota pode ter seu desempenho prejudicado pelos atos de imperícia dos condutores quando não realiza previamente uma avaliação dos motoristas de sua empresa.

    Exemplos mais conhecidos de imperícia são: trafegar em velocidade não compatível com a rodovia, dirigir enquanto manuseia o celular, realizar manobras perigosas para a via. 

    Por fim, sabemos que gerenciar uma frota não é tão simples, mas algumas medidas podem ser tomadas para facilitar a gestão e consequentemente desenvolver positivamente ainda mais a empresa. Conheça os 5 erros mais comuns que encarecem a gestão de transporte terceirizado e saiba como evitá-los.