Gestão fiscal de transporteICMS

ICMS 2023: confira as mudanças na alíquota em cada Estado

6 minutos de leitura
ICMS 2023: confira as mudanças na alíquota em cada Estado
Hivecloud
Escrito por:
Atualizado em 11 de abril de 2024

O Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) é um tributo estadual que incide sobre a comercialização de produtos e serviços em todo o território nacional. Em 2023, algumas mudanças importantes estão previstas para esse imposto, o que pode afetar diretamente a vida das empresas e dos consumidores.

Entre as principais alterações previstas está a unificação das alíquotas interestaduais, que passarão a ter um percentual único para todas as operações. Além disso, haverá mudanças na forma de cálculo do imposto para operações com produtos importados e na tributação de operações realizadas por empresas optantes pelo Simples Nacional.

Sendo assim, é fundamental que empresários e gestores estejam atentos às mudanças e se planejem para adequar seus processos e evitar problemas com o fisco. Se você deseja estar por dentro do ICMS 2023, continue neste post!

    O que é e como funciona o ICMS 2023 no transporte de cargas?

    O ICMS – Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços é um tributo estadual que incide sobre as operações de transporte de cargas. Ele é cobrado em todas as etapas da cadeia produtiva, desde a fabricação até a venda final, e tem como base a alíquota definida pelo estado onde ocorre a operação.

    No transporte de cargas, o ICMS é calculado sobre o valor do frete, incluindo os custos com seguro e pedágios, quando aplicável.

    Dessa forma, o valor do imposto é definido de acordo com a legislação estadual e pode variar de acordo com a origem e destino da carga.

    Os valores do ICMS 2023 devem ser declarados e recolhidos pelas empresas de transporte de cargas, que são responsáveis por emitir a nota fiscal e repassar o imposto ao estado correspondente.

    Sendo assim, caso ocorra alguma irregularidade na emissão da nota fiscal ou no recolhimento do imposto, a empresa pode sofrer penalidades e multas.

    É importante que as empresas de transporte de cargas estejam em dia com suas obrigações fiscais, evitando prejuízos financeiros e problemas com a fiscalização.

    Saiba mais: Tabela ICMS 2024

    Estados que aumentaram o teto do ICMS 2023

    Recentemente, alguns Estados brasileiros aumentaram o teto do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), o que gerou polêmica e discussões acerca dos impactos dessa medida na economia e na vida dos consumidores.

    Confira os Estados que publicaram normas aumentando as alíquotas do ICMS:

    Estados Alteração na alíquota geral Alterações a partir de
    Acre De 17% para 19% 01.04.2023
    Alagoas De 17% para 19% 01.04.2023
    Amazonas De 18% para 20% 29.03.2023
    Bahia De 18 para 19% 22.03.2023
    Maranhão De 18% para 20% 01.04.2023
    Pará De 17 para 19% 16.03.2023
    Paraná De 18 para 19% 13.03.2023
    Piauí De 18 para 21% 08.03.2023
    Rio Grande do Norte De 18% para 20% 01.04.2023
    Roraima De 17% para 20% 30.03.2023
    Sergipe De 18% para 22% 20.03.2023
    Tocantins De 18% para 20% 01.04.2023

    O teto do ICMS é o valor máximo que pode ser cobrado pelo imposto em cada Estado. Com o aumento desse teto, os Estados passaram a ter mais margem de manobra para aumentar as alíquotas do imposto.

    Para os defensores do aumento do teto do ICMS, a medida é necessária para garantir a arrecadação dos Estados e evitar um colapso financeiro. Com a pandemia da Covid-19, muitos Estados tiveram queda na arrecadação e precisam de mais recursos para investir em áreas como saúde, educação e infraestrutura.

    Por outro lado, os críticos argumentam que o aumento do teto do ICMS pode prejudicar a economia e afetar os consumidores. Com a possibilidade de aumentar as alíquotas, os Estados podem acabar encarecendo os produtos e serviços, o que pode impactar negativamente o poder de compra das pessoas e desestimular o consumo.

    Além disso, o aumento do ICMS pode afetar as empresas que atuam nos Estados, que terão que arcar com mais impostos e podem acabar repassando esse custo para os consumidores.

    Sendo assim, o aumento do teto do ICMS é uma medida controversa que tem prós e contras. É importante que os Estados busquem um equilíbrio entre a necessidade de arrecadar recursos e a proteção da economia e dos consumidores.

    Saiba mais: Tudo sobre cálculo de ICMS  

    Como ficam os Estados em que não houve aumento?

    Nos Estados em que não houve aumento do teto do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), a alíquota do imposto permanece a mesma. Isso significa que os consumidores desses Estados não sofrerão um aumento direto nos preços dos produtos e serviços, já que o ICMS não foi elevado.

    No entanto, é importante ressaltar que o aumento do teto do ICMS em outros Estados pode ter reflexos indiretos nos demais.

    Por exemplo, se um produto é fabricado em um Estado em que houve aumento do ICMS e é vendido em outro em que a alíquota não foi elevada, pode haver um aumento no preço final do produto, já que a empresa que o fabrica terá que arcar com um custo maior.

    Ainda, os Estados que não aumentaram o teto do ICMS podem acabar perdendo competitividade em relação aos demais. Isso porque os Estados que elevaram o teto do imposto têm mais flexibilidade para definir suas alíquotas e podem oferecer incentivos fiscais para atrair empresas e investimentos.

    Por outro lado, os Estados que optaram por não aumentar o teto do ICMS podem ser vistos como mais estáveis e previsíveis em termos fiscais, o que pode ser um fator positivo para atrair investimentos a longo prazo.

    Prazo para as novas alíquotas entrarem em vigor

    O prazo para as novas alíquotas do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) entrarem em vigor varia de Estado para Estado. Isso porque a definição das alíquotas e dos prazos é de competência estadual, e cada Estado pode ter uma legislação diferente.

    Em geral, os Estados precisam seguir as regras estabelecidas pela Lei Complementar nº 87/1996, que instituiu o ICMS a nível nacional. Segundo essa lei, as mudanças na alíquota do ICMS só podem entrar em vigor 90 dias após a sua publicação.

    Dessa forma, se um Estado publicar uma nova lei que aumente a alíquota do ICMS 2023, essa mudança só poderá entrar em vigor após 90 dias da sua publicação. Esse prazo é necessário para que as empresas possam se adaptar às novas regras e ajustar seus preços de acordo com a nova carga tributária.

    No entanto, é importante ressaltar que os Estados podem definir prazos diferentes para a entrada em vigor das novas alíquotas.

    Dessa forma, alguns Estados podem, por exemplo, optar por estabelecer um prazo menor do que 90 dias, enquanto outros podem optar por um prazo maior.

    Otimize a sua gestão de transporte!

    A gestão de transporte é uma área crítica para muitas empresas, pois envolve uma série de atividades complexas, como planejamento de rotas, monitoramento de entregas e controle de custos.

    Sendo assim, para lidar com essas tarefas de forma mais eficiente, muitas empresas estão recorrendo a soluções de gerenciamento de transporte.

    Uma dessas soluções é o sistema TMS, que oferece uma série de recursos para otimizar sua gestão de transporte. Uma das suas principais vantagens é a capacidade de fazer o cálculo automático das tarifas de transporte, incluindo o próprio ICMS, além do CFOP, GRIS e Ad Valorem.

    Não perca mais tempo e otimize a sua gestão de transporte com o Bsoft TMS.