Transportadora

Proconve: Entenda o que é e os impactos no setor de transporte

6 minutos de leitura
Proconve: Entenda o que é e os impactos no setor de transporte
Daniel Brasil
Escrito por:
Atualizado em 7 de outubro de 2021

Índice

    O setor de transportes é um dos maiores emissores de poluentes na atmosfera e, por causa disso, existe uma série de medidas que visam reduzir os danos causados por ele ao meio ambiente.

    Embora não seja de agora, essa movimentação tem ganhado mais força ao redor do mundo. Aos poucos, as pessoas estão tomando consciência de que a transformação na área logística é urgente.

    Mas, como encontrar uma maneira de minimizar os efeitos da circulação dos veículos pesados, modificando os processos já consolidados, sem que a produtividade seja comprometida?

    Esses são alguns questionamentos que o Proconve visa responder, e neste artigo você vai entender de uma vez por todas o que ele é, além de sua importância para a logística.

    Por isso, continue lendo até o final. Vamos mergulhar juntos no tema!    

    O que é Proconve?

    Atualmente, o Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores (Proconve), é o maior instrumento que o setor de transportes possui para tratar questões ambientais na logística. 

    Em linhas gerais, o Proconve é um projeto de lei que foi instituído em 1986 pelo Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA), na intenção de controlar e reduzir a emissão de poluentes gerados por automóveis considerados leves, como veículos de passeio, mas depois entendeu-se que ônibus, caminhões e até mesmo o maquinário agrícola precisavam de regulamentação.

    Para tanto, estipularam-se melhorias a serem realizadas no setor e limites de poluentes que poderiam ser emitidos por esses veículos dentro de prazos específicos. 

    Acontece que, com o passar do tempo, essas normas foram ficando cada vez mais rigorosas. Afinal, sabemos bem que a preocupação com os índices de poluição continua sendo algo alarmante em todo o mundo.

    O programa em si possui várias fases, que até então foram de P1 a P7, mas já se fala muito sobre a próxima fase, que foi adiada. Mais para frente falaremos mais sobre os impactos do adiamento da P8.

    Conforme as fases vão avançando, novos métodos de acompanhamento são estabelecidos, garantindo que as diretrizes sejam estritamente seguidas.  

    Quais são as fases?

    Até o momento 7 fases foram cumpridas pelo Proconve. Confira abaixo quais são.

    P1

    Início: 1987
    Objetivo: Controlar a emissão de fumaça produzida por caminhões e ônibus urbanos.
    Principais mudanças: Para reduzir a emissão de NOx (óxido de nitrogênio), passou-se a fazer a calibragem dos sistemas de injeção de combustível.  

    P2

    Início: 1994
    Objetivo: Impor limites relacionados aos ruídos produzidos por veículos em aceleração e enquanto parados e estabelecer diretrizes mais claras a respeito do processo de inspeção dos veículos a diesel.
    Principais mudanças: Acompanhamento das mudanças que foram realizadas nos sistemas de injeção ficaram mais assertivas, também ocorreu a implantação do sistema de resfriamento do ar de admissão.

    P3

    Início: 1996
    Objetivo: Limites de emissão de gases poluentes e enxofre se tornaram ainda mais baixos

    Principais mudanças: Fabricantes de veículos precisaram se adaptar e realizaram mudanças nos componentes dos veículos.

    P4

    Início: 2000
    Objetivo: 80% dos veículos precisavam atender às regras estipuladas ao que foi estabelecido pelo CONAMA.
    Principais mudanças: Motores e sistemas de injeção começam a contar com um conjunto de multiválvulas.

    P5

    Início: 2004
    Objetivo: Fazer um acordo entre montadoras e refinarias para implementar diversas inovações.
    Principais mudanças: Otimização dos combustíveis, motores passam a ter injetores de alta pressão, turbo e intercooler.

    P6

    Início: 2009
    Esta foi uma fase atípica, pois o Brasil não conseguiu atingir os limites estabelecidos pelo programa para diminuir os gases poluentes. O principal motivo que levou a este cenário foi a falta do diesel adequado.

    P7 (Fase atual)

    Início: 2012
    Objetivo: Reduzir 60% das emissões de óxidos de nitrogênio, que é capaz de criar a chuva ácida e fumaça tóxica.
    Principais mudanças: Uso ampliado do Arla 32, composto químico injetado no escapamento dos automóveis que possuem sistema SCR, capaz de reduzir em até 98% o NOx.  

    Quais os resultados com a implementação do programa?

    Desde que o Proconve iniciou, uma série de resultados já puderam ser observados. Entre eles, podemos listar, de acordo com as informações fornecidas pelo site oficial do programa:

    • Redução na fonte móvel (veículo) de 98% na emissão de poluentes, mesmo com o aumento na frota de veículos automotores brasileiros;
    • Melhor qualidade do ar nas grandes cidades;
    • Modernização e diversificação do parque industrial automotivo do país;
    • Adoção, atualização e desenvolvimento de novas tecnologias;
    • Melhoria da qualidade dos combustíveis automotivos;
    • Formação de profissionais altamente especializados;
    • Aporte brasileiro de novos investimentos, indústrias e laboratórios de emissão.

    Nova fase do Proconve impõe desafios à indústria

    Muito já se fala sobre uma nova fase do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores que será iniciada, a P8, e ela impõe novos desafios para a indústria.

    Isto porque a meta desta fase é diminuir a poluição ambiental que é causada pelos automóveis comerciais, porém, a maior parte da frota atuante no Brasil tem mais de 15 anos rodando e a medida é válida para novos modelos de caminhões e ônibus, até 2023, quando todos os veículos fabricados e comercializados no país precisarão atender essas especificações. No entanto, vale ressaltar que é possível que o início dessa nova fase seja adiado por 3 anos, tendo início somente em 2025.

    Ou seja, é um cenário realmente desafiador, levando em consideração a condição da maior parte dos nossos caminhões hoje em dia. Portanto, para alcançar o objetivo estabelecido, muitas mudanças deverão ser feitas. 

    Por exemplo: os motores a diesel precisarão ser equipados com sistemas de injeção de combustível e de pós-tratamento de gases de escape, ampliando ainda mais a utilização do composto químico Arla 32, o que também exigirá um alto grau de manutenção.

    Sendo assim, é bastante provável que uma política de renovação de frota seja instaurada quando a fase P8 estiver em vigor. 

    Estimativa do impacto do adiamento da fase P8

    O início da fase P8 vai representar o fim da fumaça preta que sai do escapamento dos veículos, dessa forma, ela se mostra essencial. 

    Porém, embora a previsão seja para começar em 2022, muitos já falam sobre a possibilidade de adiamento em até 3 anos. O problema é que esse atraso em implementar a P8 acarretará em uma série de consequências.

    O estudo de caso realizado pelo Instituto de Energia e Meio Ambiente (IEMA) aponta que as emissões anuais entre 2025 e 2037 vão ser 20% mais altas se comparadas com a implementação feita dentro do prazo.

    Além disso, quanto ao nível de NOx, as emissões atingiriam patamares cerca de 12% mais elevados. 

    Dessa forma, é preciso começar a ter mais controle da sua frota de caminhões o quanto antes e a Hivecloud pode te ajudar com o Software TMS para Gestão de Transportadoras. Assim, você vai conseguir gerenciar os transportes em um só lugar, aumentando a sua produtividade e desempenho.

    Este artigo te ajudou? Então, continue nos acompanhando! Por aqui sempre trazemos dicas que vão ajudá-lo a otimizar os processos da sua empresa e novidades sobre esse e outros temas relevantes.