DistribuidoraE-commerceGestão de TransporteIndústriaLogísticaTransportadora

Entenda o conceito de Cross Docking e como implantar no seu negócio

11 minutos de leitura
Entenda o conceito de Cross Docking e como implantar no seu negócio
Daniel Brasil
Escrito por:
Atualizado em 26 de fevereiro de 2021

Índice

    Ao longo dos últimos anos, o cross docking ganhou mais visibilidade no mercado logístico, principalmente após o crescimento significativo do e-commerce.

    Além disso, com os consumidores finais mais exigentes no que diz respeito à qualidade e ao tempo de entrega, essa estratégia logística vem sendo utilizada significativamente por empresas distribuidoras, lojas online e principalmente por transportadoras.

    Por isso, vamos falar neste artigo sobre o conceito do cross docking e as suas vantagens para a logística de empresas. Aprenda também a implementar esse sistema em seu negócio!

    O que é Cross Docking?

    O cross docking (em português, cruzamento de docas) é uma estratégia logística que visa otimizar a distribuição das mercadorias. Seu objetivo é otimizar o sistema de estoque e agilizar o tempo de entrega dos produtos para que eles saiam dos fornecedores e sigam o mais direto possível ao cliente final.

    Mas como isso funciona na prática?

    Com o cross docking, o armazenamento de produtos feito pela empresa vendedora, seja ela uma distribuidora, e-commerce ou loja física, não precisa existir, uma vez que o cliente faz a compra e a empresa faz a solicitação do produto com o seu fornecedor.

    Feita a solicitação, a mercadoria segue do fornecedor para o centro de distribuição mais próximo do cliente, é separada e segue para entrega final.

    cross docking
    A comparação acima ilustra um sistema logístico sem a estratégia de cross docking e outro com o cross docking aplicado.

    Nota-se que nesse processo, a empresa vendedora não estoca sua mercadoria, pois a proposta do cross docking é eliminar ou diminuir os custos com estocagem. Além disso, ele atende às necessidades de empresas que não possuem um espaço de armazenamento.

    Quais são os tipos de Cross Docking?

    Existem três tipos de cross docking utilizados hoje em dia, os quais veremos a seguir.

    1. Cross docking de movimentação contínua

    Nesse primeiro modelo de cross docking, os produtos não param. Assim que são recebidos nas docas de descarga, são prontamente levados para as docas de carga, a fim de chegarem ao seu destino o mais rápido possível, sendo esse o tipo mais tradicional.

    2. Cross docking de movimentação híbrida

    Aqui, após a mercadoria ser recebida e separada no centro de distribuição, parte dela é destinada ao consumidor final e a outra parte aguarda um pouco mais de tempo em estoque para se juntarem a outros itens, os quais formarão uma entrega completa de pedidos.

    3. Cross docking de movimento de distribuição

    Esse último tipo de cross docking é bastante utilizado no modelo de negócio B2B (business to business). Uma vez que, ao chegarem no centro de distribuição, as mercadorias são separadas para cargas do tipo FLT (Full Truck Load), onde uma carga é o suficiente para ocupar todo espaço de um caminhão. 

    É importante ressaltar que, independentemente do tipo de cross docking utilizado, os produtos não passam mais de 24 horas no centro de distribuição.

    Quais são as vantagens do Cross Docking?

    Os principais benefícios do cross docking têm a ver com a baixa necessidade de manusear as mercadorias e a significativa redução de custos com um sistema de estoque. Confira abaixo outras vantagens que essa estratégia proporciona às empresas e transportadoras.

    1. Redução de custos com sistema de estoque

    Como já falamos, o cross docking permite que uma empresa trabalhe com zero produtos em estoque, uma vez que a mercadoria comprada pelo seu cliente sai do fornecedor diretamente para o centro de distribuição.

    Isso proporciona menores custos com armazéns e sistema de armazenamento, além de menores despesas com equipe, luz, segurança e manutenção do local. E ainda que a empresa possua um armazém próprio, seus custos são reduzidos ao cross docking para encaminhar parte das suas mercadorias.

    2. Melhor gerenciamento da troca de mercadorias

    Com o sistema de cross docking, a mercadoria sai da indústria para o centro de distribuição assim que o cliente faz a compra. Ao evitar o processo de armazenamento, o produto e sua embalagem passam menos tempo parados, o que diminui as chances de substituição ou perda da mercadoria.

    3. Menores riscos de furtos

    O roubo de mercadorias é um grande prejuízo sofrido no setor de logística de estoque, uma vez que as mercadorias ficam mais expostas e por mais tempo no armazém.

    Além de perder o dinheiro por causa do produto roubado, esse problema também atinge o cliente final que pode não receber o produto no prazo esperado.

    Mas, tendo em vista que no sistema cross docking a mercadoria permanece no centro de distribuição por um tempo mínimo, o risco de furto é diminuído consideravelmente.

    4. Processos mais ágeis

    No centro de distribuição, a mercadoria é recebida, preparada e separada nos veículos de destino de uma maneira mais rápida e eficiente, já que no cross docking os produtos não passam mais de 24 horas armazenados.

    Além de proporcionar mais eficiência no processo de entrega ao cliente, esse procedimento gera um diferencial competitivo para a empresa que garante uma entrega mais rápida em seu e-commerce, por exemplo; e para a transportadora, que vai obter clientes que procuram um fornecedor logístico com centro de distribuição.

    5. Sincronia entre os integrantes do cross docking

    Outra vantagem que o cross docking garante é a facilidade durante a troca de informações que acontece entre os integrantes desse sistema logístico. Quando o fornecedor, distribuidora (ou e-commerce) e transportadora entendem seus papéis operacionais, o cruzamento de docas flui com mais sincronia.

    Mas para que isso aconteça, é importante que esses integrantes citados acima se atentem a:

    — contratar um serviço de transporte eficiente na troca de informações;

    — contar com um fornecedor dos produtos fiel nos prazos de entrega;

    — utilizar um software roteirizador que entrega rotas inteligentes para as transportadoras; 

    — recorrer a um sistema de monitoramento em tempo real a fim de saber onde a mercadoria se encontra. 

    6. Menor capital de giro

    Na estratégia de cross docking, a empresa só faz o pedido ao fornecedor quando seu cliente final faz uma compra. Isso diminui a necessidade de trabalhar com capital de giro, uma vez que não será necessário obter a mercadoria para depois vendê-las.

    Considerando o sistema just in time (na hora certa) envolvido no cross docking, os investimentos que seriam aplicados no capital de giro migram para outros setores, melhorias e investimentos logísticos.

    7. Cadeia de suprimentos integrada

    Já falamos aqui no blog sobre o papel da cadeia de suprimentos, ou supply chain management, para o bom funcionamento de um sistema logístico. Essa cadeia torna-se ainda mais simples quando não há processos de estocagem. 

    O motivo disso é que o sistema de estoque necessita de inúmeros recursos, como tempo, equipe, financeiro, estrutural, etc. Logo, sem esse setor para gerenciar, outras áreas podem receber mais atenção para serem aperfeiçoadas.

    8. Diminuição de falhas operacionais

    O cross docking também possibilita uma entrega de mercadoria com menos chances de falhas operacionais, uma vez que o produto sai do fabricante e passa pelo centro de distribuição para apenas ser conferido, assim como seus detalhes.

    Sendo assim, as chances de uma mercadoria chegar errada e causar insatisfação no cliente são diminuídas.

    9. Mais controle sobre as entregas

    Com uma operação menos complexa, o controle sobre as entregas é otimizado. Ao usarem um sistema de monitoramento, tanto a empresa que vende o produto quanto a transportadora conseguem monitorar em tempo real a mercadoria. Isso garante mais eficiência no prazo de entrega.

    10. Aumento da satisfação do cliente

    Todas as vantagens citadas anteriormente contribuem para mais uma: a satisfação dos clientes, principalmente o consumidor final, uma vez que ficou muito claro que, no ano de 2020, o avanço e aumento da demanda das vendas online gerou a necessidade de oferecer mais qualidade no serviço de atendimento ao cliente.

    Hoje em dia, tanto o cumprimento ao prazo de entrega definido quanto a entrega de informações de rastreamento são fatores mínimos para construir a reputação das empresas vendedoras e também das transportadoras. Essa responsabilidade aumenta ainda mais em períodos de alta nas vendas, como Dia das Mães, Natal e Ano Novo.

    Nesse sentido, o sistema que constitui o cross docking proporciona a agilidade de envios que essa tendência de vendas demanda.

    Qual é a função da transportadora no Cross Docking?

    As transportadoras têm um papel fundamental para o bom funcionamento da rotina que o cross docking exige, uma vez que elas são as responsáveis por levar as mercadorias ao centro de distribuição e depois realizar a segunda etapa de entrega.

    Para que isso aconteça, a empresa embarcadora precisa contratar um serviço de transporte ágil, com a estrutura adequada ao cross docking e que ofereça boa qualidade na entrega, já que a percepção que o cliente final terá sobre o recebimento do seu produto recai muitas vezes sobre o contratante e não sobre a transportadora.

    Como implementar o Cross Docking?

    Agora que você compreendeu as vantagens envolvidas no cross docking, é hora de você saber como implementá-lo na logística da sua empresa!

    1. Faça seu planejamento

    Como você já sabe, um dos pilares do cross docking é a agilidade nas entregas, uma vez que as mercadorias não devem passar mais de um dia do centro de distribuição. Sua empresa está preparada para atender às expectativas desse sistema?

    É importante que você avalie cuidadosamente tudo que o cross docking vai demandar: mão de obra, softwares, contrato de um centro de distribuição, acordos com fornecedores, malha de distribuição e muito mais. 

    2. Contrate um centro de distribuição

    Tanto a empresa vendedora quanto a transportadora podem contratar um centro de distribuição. Para a empresa de transporte, essa locação proporciona um diferencial competitivo ainda maior.

    Mas antes disso, é necessário mapear o local, avaliar se é uma área estratégica para os fornecedores e principalmente para os consumidores, além de estudar sua capacidade para operar em períodos de alta e baixa demanda.

    3. Faça negociações com seus fornecedores

    Outro ponto importante para implantar o cross docking em seu negócio é manter um bom relacionamento para fechar acordos com seus fornecedores.

    Uma empresa distribuidora, por exemplo, precisa acordar com a fábrica uma reserva de estoque de acordo com a demanda estimada, assim como uma transportadora que contrata outra transportadora para fazer o last mile (última etapa) precisa contar com o cumprimento de prazo.

    Fazendo bons acordos, os clientes envolvidos no cross docking não são prejudicados e tudo funciona conforme o planejado.

    4. Treine sua equipe

    Um ponto que não pode faltar no processo de implantação do cross docking é o investimento em equipe, uma vez que os funcionários precisam entender como funciona o sistema e a sua importância.

    Isso porque serão eles que estarão no dia a dia gerenciando as operações e isso demanda uma boa compreensão de cada etapa, além de boa comunicação entre os envolvidos.

    5. Ofereça bom atendimento ao cliente

    Tanto o cliente da transportadora quanto o consumidor final querem obter informações precisas da mercadoria assim que ela sai da fábrica. Essa necessidade não é errada, visto que hoje existem diversas ferramentas que exibem o status da mercadoria a partir das ocorrências que o motorista sobe no sistema.

    Lembre-se que o feedback do cliente é um dos principais medidores de sucesso do seu negócio e ter atenção às avaliações é fundamental para aplicar as mudanças necessárias, ainda mais se você pretende fidelizá-los.

    6. Invista em tecnologia

    Não tem como fugir desta realidade: investir em sistemas de gestão logística é primordial para o desempenho de qualquer negócio que está envolvido com o transporte de cargas.

    Um sistema de gestão de entregas como o 3PL, o qual é utilizado por empresas que contratam transportadoras, é essencial para gerenciar os fretes contratados, uma vez que esse software oferece funcionalidades para todas as etapas logísticas que a organização precisa lidar:

    – cotação automática de frete com transportadoras;

    – solicitação eletrônica da ordem de serviço;

    – sistema de roteirização inteligente;

    sistema de monitoramento de mercadorias em tempo real;

    – serviço de rastreamento da entrega para o cliente;

    – auditoria de frete;

    – relatório de desempenho logístico.

    Para as transportadoras, o sistema de gerenciamento de transporte, também conhecido como TMS, é o software mais indicado para gerir as operações, já que ele entrega uma visão completa de toda a frota que está transportando as mercadorias dos clientes e segmenta por status de entrega. Além disso, o sistema TMS oferece:

    – emissão de documentos fiscais como CTe, MDFe e CIOT;

    – gestão financeira com funções voltadas para o transporte de cargas;

    – integração EDI para atender aos grandes clientes;

    – monitoramento de carga;

    – gestão de frota completa.

    Quer saber mais sobre como o TMS pode aumentar o desempenho logístico da sua transportadora e ajudar você na implementação do cross docking?

    Cadastre-se agora para conversar com nosso consultor especializado em sistema TMS e tire todas as suas dúvidas!

    Índice

      Artigos relacionados

      Erros mais comuns na contratação de transportadores autônomos
      Gestão de Transporte

      Erros mais comuns na contratação de transportadores autônomos

      Ler conteúdo
      Como a Hivecloud está ajudando transportadoras na quarentena
      CTe

      Como a Hivecloud está ajudando transportadoras na quarentena

      Ler conteúdo
      Série “Como criar uma empresa de Transporte?”: Seguro e Responsabilidade Civil
      Gestão de Transporte

      Série “Como criar uma empresa de Transporte?”: Seguro e Responsabilidade Civil

      Ler conteúdo
      6 erros na gestão de transportes para você evitar
      Blog

      6 erros na gestão de transportes para você evitar

      Ler conteúdo