Gestão de TransporteTransportadora

Transporte de carga: saiba como funciona e suas principais diferenças

10 minutos de leitura
Transporte de carga: saiba como funciona e suas principais diferenças
Daniel Brasil
Escrito por:
Atualizado em 23 de maio de 2022

Índice

    O transporte de carga é uma etapa fundamental do setor de logística, seja para carregar matéria-prima para confecção de produtos e alimentos ou realizar a entrega de mercadorias.

    Dessa forma, o mínimo problema nesse translado pode afetar toda a logística de uma empresa. Por isso, é importante que você saiba quais os tipos de transporte de carga e suas especificidades. 

    Continue lendo este post para aprender mais sobre como funciona os transportes de cargas e confira quais suas principais diferenças.

    O que é transporte de carga?

    É graças ao transporte de cargas que o cliente de uma determinada empresa poderá receber/ter em mãos o bem que comprou. Com isso, o transporte de carga no Brasil pode ser feito de diferentes formas, desde o sistema rodoviário, ferroviário, aquaviário, aéreo, dutoviário e até o infoviário. 

    Um dos principais focos desse processo é garantir a satisfação dos clientes, assim também entregando os produtos em perfeito estado, dentro do prazo e no local indicado. Dessa forma, é de suma importância contar com empresas logísticas que possuam comprometimento, para que os desperdícios sejam minimizados e, assim, os resultados sejam otimizados. 

    Quais são os tipos de transporte de cargas?

    No Brasil, o modal rodoviário é o mais utilizado. Porém, dentro desse modal existem diversas maneiras de se transportar uma carga. Em síntese, separamos os principais tipos de transporte para te ajudar. Confere:

    Transporte de carga geral

    Este é o mais comum, sendo responsável pela entrega de cargas que não exigem veículos ou procedimentos especiais para sua distribuição e armazenamento. Dessa forma, essas entregas são realizadas em veículos comuns e podem transportar diversos produtos, como:

    • produtos industrializados;
    • bens químicos, em suma, que não seja uma carga perigosa;
    • produtos farmacêuticos;
    • líquidos envasilhados;
    • produtos alimentícios;
    • materiais de construção;
    • laminados de madeira.

    Do tipo encomendas

    Esse é o que as pessoas mais conhecem. Afinal, seu processo inclui a coleta da carga no local de envio, o transporte seguro e a entrega no endereço de destino, de acordo com prazos de entregas pré-estabelecidos.

    Aqui, a transportadora deve ter uma atenção ainda maior em relação à agilidade e às condições nas quais os produtos chegam ao seu destino. Isso, sem dúvida, é importante para preservar a relação entre a empresa emissora e o cliente que recebe sua encomenda.

    Além disso, para alcançar esse objetivo, o monitoramento de cargas é um dos processos logísticos mais importantes. Afinal, isso permite o acompanhamento em tempo real da entrega, facilitando, assim, a solução de problemas e o cumprimento dos prazos de entrega previstos.

    Para mudanças

    Seja residencial ou presencial, esse é o transporte utilizado para o processo de mudanças. Frequentemente o destinatário costuma ser o próprio remetente, ou seja, a mesma pessoa (física ou jurídica). Com os veículos apropriados é feito o deslocamento de:

    • bens móveis;
    • utensílios domésticos;
    • materiais de escritório, assim como outros tipos.

    Feito para cargas perigosas

    O CBT – Código Brasileiro de Trânsito e os outros órgãos de regulamentação do transporte de cargas perigosas estabelecem uma série de exigências para as transportadoras que atuam nesse segmento do mercado.

    Sendo assim, não só o tráfego dos produtos deve ser feito seguindo o procedimento padrão, do mesmo modo deve ser feito o carregamento, a manipulação, a armazenagem e o descarregamento de cada tipo de carga perigosa.

    Além disso, os cuidados devem ser sempre tomados, a fim de evitar acidentes que possam causar prejuízos à propriedade ou à vida.  

    Exclusivo para cargas frigoríficas

    Esse é um tipo de transporte de carga que exige bastante investimento da transportadora, assim também levando em consideração que o sistema de refrigeração e outros equipamentos que garantem a qualidade dos produtos resfriados e/ou congelados precisam estar sempre funcionando perfeitamente. 

    A higienização dos veículos também é outra exigência, sendo necessária para evitar contaminações e prejuízos de cargas como frutas, carnes e/ou laticínios.

    Transporte de cargas de grande porte

    Este transporte de cargas é responsável pela segurança no deslocamento de estruturas, equipamentos ou máquinas que possuem proporções que excedam os limites permitidos pelo CBT – Código Brasileiro de Trânsito é o objetivo principal desse tipo de transporte de cargas.

    Com isso, é exigido um planejamento estratégico para este transporte, assim como é necessário considerar a segurança nas vias de trânsito, que envolvem sinalização, velocidade, horário de circulação e escolta. 

    Para as transportadoras, essas cargas são um desafio, pois elas devem preservar tanto os produtos transportados, quanto o patrimônio e a vida de terceiros. 

    Transporte de produtos farmacêuticos

    Este é um transporte de carga bastante especializado, que exige um relacionamento humano entre a transportadora e seus clientes. Esse cuidado não apenas é para garantir que todas as etapas do transporte sejam feitas sem erros que comprometam a qualidade/integridade dos produtos farmacêuticos. 

    A princípio, existem várias exigências legais impostas ao transporte de medicamentos. Com isso, a indústria farmacêutica não pode abrir mão de processos logísticos extremamente bem executados justamente para que não haja esses equívocos.

    Para cargas completas

    O transporte de carga completa é utilizado exclusivamente para uma única empresa que deseja deslocar sua mercadoria.

    Este tipo de transporte também é utilizado para transportar cargas perigosas, afinal elas podem contaminar outros produtos. 

    Transporte de cargas fracionadas

    Diferente da carga completa, no transporte da carga fracionada, várias empresas podem dividir o mesmo caminhão para realizarem suas entregas, portanto que elas tenham um destino semelhante.

    Com isso, a transportadora é designada a organizar a distribuição e a entrega dos produtos de forma que possibilite o uso de um mesmo veículo para transportar cargas diferentes, mas com propriedades semelhantes.

    Nesse sentido, ela será responsável por recolher a mercadoria em sua empresa e organizá-la em um veículo, sempre adequado às suas características e que tenha uma rota de entrega compatível.

    É importante lembrar que cada empresa paga apenas pelo espaço ocupado pelo seu produto, dividindo os custos do transporte com as outras cargas. Igualmente, é totalmente possível trabalhar com fretes menores, atendendo diversas empresas e fazendo entregas no Brasil e/ou no mundo. 

    Principais modais de transporte de cargas

    Modais de transporte são os modos em que se realizam a locomoção de uma carga, de forma mais clara, os tipos de transporte. Dessa forma, existem cinco possibilidades: modal rodoviário, modal ferroviário, modal hidroviário, modal dutoviário e modal aeroviário. Confira abaixo cada um deles:

    Modal Rodoviário

    O modal rodoviário é o meio de transporte que utiliza rodovias, estradas e ruas.

    Os veículos mais comuns nesse modal são: caminhões, ônibus, motocicletas, caminhonetes e utilitários. Esse é o modal mais utilizado no Brasil, seja para o transporte de cargas ou de pessoas.

    Com isso, a possibilidade de criar rotas mais flexíveis em prazos razoáveis e com preços competitivos faz com que esse tipo de modal ainda continue representando a maior parte do transporte terrestre. 

    Modal Ferroviário

    O modal ferroviário é aquele que utiliza as ferrovias para transportar tanto cargas quanto pessoas.

    Para isso, são utilizadas locomotivas, vagões, assim como carros de passageiros.

    Esse tipo é o segundo dos modais de transporte que mais recebem investimentos no Brasil, como já esperado, ficando atrás apenas do rodoviário.

    Os principais produtos carregados pelo modal ferroviário no país são: grãos, minério de ferro, fertilizantes, derivados de petróleo, bem como as mercadorias agrícolas e os produtos siderúrgicos.

    Modal Aquaviário ou Hidroviário

    O modal aquaviário é aquele no qual o transporte se realiza através das águas, sejam rios, mares ou lagos. Ele pode utilizar navios, barcos, submarinos ou outras embarcações.

    O setor hidroviário movimenta cerca de 1.300 milhões de toneladas de cargas no Brasil todos os anos, dentre as navegações de longo curso, cabotagem e interior.

    As cargas mais comuns neste modal são: petróleo, minério de ferro, bauxita, pasta de celulose e milho, dentre outras.

    Modal Aeroviário

    O modal aéreo é aquele que utiliza o ar para realizar o transporte. 

    Para isso, são utilizadas aeronaves, que podem ser privadas (TPP), experimentais (PET/PEX), para táxi aéreo (TPX), ou outras categorias.

    Nosso país movimenta cerca de 1,2 mil toneladas de cargas ao ano pelo modal aéreo, com destaque para frutas, reatores elétricos, produtos de origem animal, farmacêuticos, dentre outros.

    Por consequência, trata-se de uma boa opção para transporte de itens perecíveis ou de alto valor agregado, que precisam ser transportados por longas distâncias de forma rápida.

    Modal Dutoviário

    O modal dutoviário é aquele que realiza o transporte por meio de dutos, sejam subterrâneos, submarinos ou aparentes.

    Atualmente o Brasil possui mais de 1.600 km de malha dutoviária, dentre eles: gasodutos, minerodutos e oleodutos. Em virtude disso, são movimentados cerca de 170 milhões de m³ de óleo e gás por ano, além de aproximadamente 9 toneladas de minério.

    As principais cargas transportadas pelo modal dutoviário são: ferro, rocha fosfática, sal-gema, óleo diesel, gasolina, nafta, óleo combustível, álcool , bem como gás natural.

    Modal Infoviário

    O modal infoviário, também chamado de digital ou virtual é aquele que utiliza a infraestrutura de telecomunicações para o transporte, mais comumente formada por fibra óptica e satélites.

    Através desse modal, são transportados dados e informações, como os serviços de telefonia, internet e televisão por assinatura.

    Legislação no Transporte de Cargas

    A regulamentação do transporte de cargas no Brasil depende de quais produtos estão sendo comercializados. Isso acontece porque a legislação não é a mesma.

    Para saber especificamente sobre algum setor do mercado é preciso entrar no site da ANTT – Agência Nacional de Transportes Terrestres. Porém, há algumas regras e documentos que são gerais, listamos alguns para você se atentar. 

    RNTRC – Registro Nacional de Transportadores Rodoviários de Carga

    Esse registro é de responsabilidade da ANTT, e é obrigatório para todos que trabalham nesse ramo no país, seja uma transportadora ou caminhoneiro. Com isso, é fundamental cumprir esse papel, posto que além de ser uma lei federal, também é uma maneira de disciplinar e padronizar a prestação de serviço de transporte no Brasil. Principalmente porque, infelizmente, o setor sofre muito com a informalidade.

    Seguros

    Os seguros obrigatórios para transporte de cargas são dois: um feito pelo embarcador e um pelo transportador. O Seguro Transporte Nacional para o dono da carga é obrigatório e oferece cobertura completa, incluindo roubo e furto.

    Já o RCTR/C – Responsabilidade Civil do Transportador Rodoviário de Carga é feito pela empresa, porém ele cobre apenas prejuízos pelos quais o próprio transportador seja responsável, bem como colisão, capotamento, etc.

    Ou seja, além de serem obrigatórios, eles evitam prejuízos ainda maiores.

    CIOT

    O Código Identificador da Operação de Transportes – CIOT, corresponde a um código obtido apenas por meio do cadastramento da operação de transporte no sistema da ANTT. A sua principal função é regulamentar o pagamento do frete ao prestador do serviço de transporte, por meio do pagamento eletrônico do frete.

    Como emitir e centralizar os principais documentos fiscais em um só lugar?

    Agora que você já conhece os principais documentos fiscais que regulamentam os transportes de cargas no Brasil, opte por um software que faz todo o processo de emitir, com o propósito de organizar os documentos fiscais por você e muito mais

    Com o Hivecloud TMS você conta com todas estas funcionalidades:

    • Sistema na nuvem, onde você faz tudo online e sem a necessidade de baixar um programa;
    • Planos de acordo com o tamanho e perfil da sua empresa, que oferecem a você ferramentas além e de acordo com a sua necessidade;
    • Emissão simples e rápida de CIOT, CTe e MDFe;
    • Integração EDI homologada por grandes embarcadores;
    • Aplicativo para dar baixa na entrega pelo celular;
    • Sistema de controle financeiro;
    • Gestão completa da frota;
    • Monitoramento da carga;
    • Treinamento para a transportadora sobre o sistema TMS, como também suporte 24H para dúvidas e auxílio em qualquer momento.

    Por fim, com um TMS eficiente, o monitoramento dos transportes é otimizado e, consequentemente, os erros são reduzidos e você passa a ter mais controle sobre os processos, o que promove agilidade para as suas negociações.

    Teste grátis o software de gestão de transportadoras