Transportadora

Confira os principais tipos de carga no transporte rodoviário

8 minutos de leitura
Confira os principais tipos de carga no transporte rodoviário
Daniel Brasil
Escrito por:
Atualizado em 11 de janeiro de 2022

Índice

    Existem vários tipos de carga que demandam o serviço de frete no Brasil, cada uma com necessidades diferentes de transporte. No cenário atual, contamos com mais de 100 milhões de veículos circulando no país para transportá-las!

    No artigo de hoje, vamos falar sobre as principais categorias:

    • Carga a granel;
    • Carga frigorífica;
    • Carga viva;
    • Carga conteinerizada;
    • Carga perigosa;
    • Cargas indivisíveis e excepcionais de grande porte;
    • Cargas frágeis;
    • Cargas de veículos automotivos;
    • Cargas de minério e cimento.

    Para garantir a máxima eficiência no transporte de mercadorias, a transportadora deve conhecer bem cada um dos tipos de carga. Por esse motivo, veja a seguir como realizar esse serviço conforme as principais categorias de carga que listamos anteriormente!

    1. Carga a granel 

    carga a granel

    O tipo de carga a granel pode ser feito com a carroceria do caminhão aberta, mas o Conselho Nacional de Trânsito (Contran) estabelece o uso de lona de proteção como obrigatório, a partir da resolução 441.

    Para esse tipo de mercadoria, que engloba grãos, cascalho e até mesmo alguns líquidos, são usados geralmente os caminhões truck, carretas e também os graneleiros.

    Quanto à organização dos produtos, no caso daqueles que são sólidos, eles podem ser transportados com a utilização de pallets, o que facilita percorrer longas distâncias sem danos à carga.

    Já os líquidos precisam estar em uma carroceria que contenha tanque de aço, evitando o vazamento. Alguns tipos comuns são: caminhão cisterna, carro-tanque ou caminhão pipa.

    2. Carga frigorífica

    caminhão com produto frigorífico

    A carga frigorífica, que também é conhecida como refrigerada, é um dos tipos de carga que pode ser perecível ou congelada, necessitando de cuidados especiais para o transporte. Afinal, elas estão sujeitas a estragar sem o devido acondicionamento, o que significa perder aquela carga ou até mesmo contaminar as pessoas que consumirem os produtos.

    Nesse sentido, existem determinações da lei que também devem ser cumpridas. Os perecíveis, como as frutas, legumes e verduras, não podem ser transportados para longas distâncias para evitar o risco que mencionamos anteriormente.

    Além disso, é obrigatório que o veículo condutor da carga seja revestido com câmara fria ou equipamento de refrigeração, por isso o mais utilizado costuma ser a carroceria baú refrigerado.

    Essa carroceria possui um aparelho que permite a temperatura ficar entre 0 e -10°C, sem que se forme gelo, sendo o modal rodoviário o mais comum para transportes de carga frigorífica.

    Já nos congelados, como carne, frango ou peixe, a primeira grande diferença é que há formação de gelo no transporte. Esse tipo de carga frigorífica exige manutenção constante e a atenção também deve ser redobrada para a temperatura e armazenamento.

    Para ele, a carroceria baú frigorífico é ideal, com variação de -15°C a -20°C.

    3. Carga viva

    transporte de ovelhas

    A carga viva é bastante comum na pecuária, mas também pode ser utilizada em trabalhos ambientais e no setor que lida com veterinária.

    Especificamente na pecuária, o serviço de frete que tem alta demanda é geralmente o transporte de aves, bovinos ou suínos, mas outros animais, como os cavalos, podem entrar na lista.

    No caso da carga viva, o principal ponto de atenção que a transportadora precisa ter é garantir o bem-estar dos animais, por isso é necessário usar carrocerias fechadas, como a boiadeira, que possui várias entradas de ar para garantir a circulação adequada da ventilação.

    4. Carga conteinerizada

    carga do tipo conteiner

    A carga conteinerizada é transportada por meio de caminhões projetados para o uso de contêineres. Logo, as mercadorias já chegam armazenadas nesse tipo de equipamento.

    Essas cargas possuem um alto grau de versatilidade. Assim, tanto as mercadorias mais frágeis quanto as refrigeradas e outras podem ser conduzidas dessa forma.

    A caixa também permite passar a carga de um veículo para outro modal, como trem ou navio, com muito mais facilidade.  

    5. Carga perigosa

    carga perigosa

    Entre os tipos de carga disponíveis, a de mercadorias perigosas é uma das possíveis atividades que o setor logístico oferece na cadeia de fornecimento, mas o processo é menos usual, pois existe uma série de implicações referente aos riscos que as cargas perigosas representam para a saúde, segurança pública e meio ambiente.

    Assim, existem 9 classes de produtos de risco dentro desse tipo de modalidade:

    • Explosivos;
    • Gases;
    • Líquidos inflamáveis;
    • Sólidos inflamáveis;
    • Substâncias oxidantes e peróxidos orgânicos;
    • Substâncias tóxicas e infectantes;
    • Material radioativo;
    • Corrosivos;
    • Substâncias perigosas diversas

    Cada um deles exige uma maneira especial de transportar e acondicionar as mercadorias, por isso é indispensável que os caminhões sejam sinalizados conforme a classificação de risco dos produtos.

    >> Saiba como fazer o transporte de produtos perigosos

    6. Cargas indivisíveis e excepcionais de grande porte

    maquinários realizando o transporte de carga

    Como o nome sugere, as cargas indivisíveis e excepcionais de grande porte permitem o carregamento de maquinários e outros equipamentos de tamanho e peso acima do que é estabelecido pelo código de trânsito do Brasil, como vagões, transformadores, guindastes e máquinas de uso industrial e agrícolas.

    Como são muito grandes, esses equipamentos precisam de cuidados dobrados durante o manuseio e descarregamento, além do uso de veículos especiais com capacidade de carga, dimensões, estrutura, suspensão e direção apropriadas.

    7. Cargas frágeis

    caixa com o adesivo "frágil" na frente

    Produtos que são mais sensíveis e possuem grande probabilidade de quebrar durante o transporte são considerados cargas frágeis. Dentro dessa categoria, estão:

    • Louças;
    • Vidros;
    • Espelhos;
    • Cristais.

    Por serem muito delicados, é indispensável embalar esse tipo de mercadoria de maneira adequada, com proteção estopa, plástico bolha ou isopor, para em seguida colocá-los em caixas com sinalização de fragilidade, para que quem conduz o processo logístico esteja ciente desse fator.

    O veículo que será utilizado no transporte também é muito importante, porque para não danificar a carga o mais indicado é que ele tenha suspensão de ar. 

    8. Cargas de veículos automotivos

    transporte de veículos automotivos

    No transporte de carros ou motocicletas, os caminhões-cegonha são os mais recomendados. Isto porque eles possuem estrutura adequada para sustentar o peso dos automóveis, sem danificá-los.

    Para isso, é preciso seguir todas as regras de segurança estabelecidas pelos órgãos reguladores, assim como equipamento de proteção. Nesses casos, as carrocerias que melhor atendem ao transporte são a plataforma ou guincho.

    Outro ponto importante diz respeito à velocidade do veículo condutor desse tipo de carga, uma vez que, por causa do peso, elas devem ser reduzidas. 

    9. Cargas de minério e cimento

    carga de minerio

    As cargas de minério e cimento são comumente transportadas através de dutos com bombas especiais que podem impulsionar as que são sólidas ou em pó. No entanto, uma alternativa para além dos dutos são os caminhões de grade baixa. Essa segunda opção vale para quando as mercadorias são ensacadas.

    No entanto, se a carga não estiver em sacos ou pallets, é obrigatório seguir as regras do transporte a granel, com embarque por tratores, e proteção adequada para evitar contato com água.

    Documentos obrigatórios para os tipos de carga transportadas no Brasil

    Independente dos tipos de carga a serem transportados, existe um fator que não muda: em todos os cenários, para prestar o serviço de frete a transportadora precisa estar com a documentação obrigatória em dia.

    Sendo assim, saber como emitir o CTe e o MDFe corretamente é indispensável. Veja a seguir o que são esses documentos.

    CTe

    Para fins fiscais, o Conhecimento de Transporte Eletrônico (CTe) registra as prestações de serviço do transporte de cargas realizadas em território nacional. 

    Os responsáveis pela emissão do documento são a transportadora ou o contratante do serviço de transporte.

    Para emitir o CTe, você deve seguir esse passo a passo:

    • Solicite credenciamento na Sefaz do seu estado;
    • Obtenha um certificado digital;
    • Escolha um bom sistema emissor;
    • Tenha acesso a internet;
    • Configure a transportadora no sistema emissor escolhido;
    • Importe o arquivo XML de NFe para emitir o seu CTe.

    Se você quiser ler mais sobre todas as etapas que mencionamos aqui, confira o artigo onde explicamos como emitir o CTe na sua transportadora.

    MDFe

    O Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais (MDFe) é o documento que reúne as principais informações contidas na Nota Fiscal eletrônica e no CTe. Com isso, ele regula todos os registros dos produtos que estão sendo conduzidos pela transportadora.

    Para emitir o MDFe, siga as etapas indicadas abaixo:

    • Solicite credenciamento na Sefaz do seu estado;
    • Obtenha um certificado digital;
    • Escolha um bom sistema emissor;
    • Tenha acesso a internet;
    • Configure a transportadora no sistema de MDFe;
    • Preencha os dados solicitados no documento;
    • Realize a impressão do DAMDFe, versão física do MDFe.

    Quer ler mais sobre todas estas etapas? Veja o guia completo de emissão do MDFe que a Hivecloud preparou para você!

    Como é possível perceber, para gerar o CTe e o MDFe a sua empresa precisa de um sistema emissor que acelere a sua operação de transporte. Por isso, que tal conhecer o software da Hivecloud?

    Com ele é possível otimizar a rotina da transportadora gerando os documentos obrigatórios em questão de segundos, o que impacta positivamente porque você terá a possibilidade de emitir de onde estiver, tudo 100% online e com a máxima segurança.

    Para conhecer o nosso sistema emissor e começar a transformar a sua operação logística, basta clicar aqui.

    Esperamos que você tire proveito de todas as informações que compartilhamos neste artigo! E, lembre-se: fazer o transporte adequado das suas mercadorias é uma parte essencial da operação para garantir a eficiência da entrega.